SINDAEL - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ÁGUA, ESGOTO E SANEAMENTO AMBIENTAL DE LODRINA E REGIÃO


Sindicatos alertam trabalhadores para armadilhas do PAI e do PDVTC

Sindicatos alertam trabalhadores para armadilhas do PAI e do PDVTC

Publicado em 0 Comentário

Uma semana após ter divulgado pela intranet o PAI (Programa de Aposentadoria Incentivada) e o PDVTC (Programa de Demissão Voluntária com Transferência do Conhecimento), a Sanepar convocou os Sindicatos para detalhá-los em reunião realizada ontem (5/01), em Curitiba.

A apresentação foi feita pela gerente de Recursos Humanos, Tânia Mara Taninello, e pela advogada Moema Reffo Suckow, gerente da área jurídico-trabalhista da empresa, sem a presença de nenhum membro da diretoria, o que demonstrou a total falta de espaço para dialogar o conteúdo desses programas.

Na essência, os dois são parecidos com o PAI anterior, no que diz respeito à indenização proposta aos trabalhadores e trabalhadoras que decidirem aderir. Mas, porém, são muito diferentes e piores no que diz respeito às duas condições para que sejam implantados: uma é a imposição para que os Sindicatos homologuem o PAI e O PDVTC por meio de Termo Aditivo ao Acordo Coletivo de Trabalho, no qual estará previsto que o empregado que aderir aos programas dará total quitação “plena, geral e irrestrita a todas as parcelas objeto do Contrato de Trabalho com a Companhia”; a segunda condiciona a aceitação da adesão à inexistência de qualquer demanda judicial do trabalhador e da trabalhadora contra a Sanepar. Neste caso, quem tem alguma ação pleiteando direitos na Justiça do Trabalho terá que desistir para aderir ao PDV ou ao PAI.

Sindicatos rejeitam renúncia de direitos

Dirigentes dos Sindicatos majoritários (SINDAEL, SAEMAC, SINDAEN e STAEMCP) se reuniram na tarde de ontem (5/01), em Curitiba, após a apresentação dos programas e avaliaram que os mesmos contêm armadilhas que levam os trabalhadores e trabalhadoras a perderam direitos, caso aceitem essas condições para aderir.

imagem-oficio-paimaior

Além disso, as entidades afirmam que não houve negociações antes de elaborar os programas e deixaram claro, em ofício protocolado após a reunião junto à Sanepar, que só submeterão as duas propostas de desligamento se forem retiradas as condições que violam direitos dos trabalhadores e trabalhadoras.

Clique aqui para ler o ofício dos Sindicatos majoritários.

“Não dá para aceitar a renúncia de questões básicas, como, por exemplo, o reajuste salarial deste ano, pois já estamos chegando à data base e os trabalhadores e trabalhadoras têm um valor significativo a receber, entre outras perdas que ocorrerão caso aceitem aderir aos programas nas condições impostas pela Sanepar”, destaca Alexandre Schmerega Filho, presidente do SINDAEL.

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *