SINDAEL - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ÁGUA, ESGOTO E SANEAMENTO AMBIENTAL DE LODRINA E REGIÃO


ONDAS defende 10 medidas para garantir direitos aos mais pobres frente ao novo coronavírus

ONDAS defende 10 medidas para garantir direitos aos mais pobres frente ao novo coronavírus

Publicado em 2 Comentário

Carta do ONDAS chama a responsabilidade dos governos e das empresas de saneamento do País

Em meio às medidas de contenção da pandemia de coronavírus (Covid-19) destaca-se a atenção à higiene pessoal, principalmente lavar as mãos várias vezes ao dia, sem deixar de lado a limpeza de roupas, louças e o ambiente familiar. Seriam tarefas simples de se fazer, mas, infelizmente, milhões de brasileiros não têm acesso a direitos universais, como o acesso à água potável e ao saneamento básico.

Nas favelas, palafitas, nas periferias das grandes e pequenas cidades, e nas zonas rurais estão mais de 45% do total da população brasileira com atendimento de esgotamento sanitário precário ou nenhum atendimento, e outros 40% não têm água potável ou contam com acesso precário a estes serviços, segundo o Plansab (Plano Nacional de Saneamento Básico), documento do Ministério do Desenvolvimento Regional, de 2019.

Nesses locais é muito comum o trabalhador e a trabalhadora chegarem em suas casas à noite, depois de um dia exaustivo de trabalho e não terem, sequer, água para lavar as mãos, e é um “luxo” tomar banho, uma necessidade ainda maior em tempos de pandemia.

Pensando nesses milhões de brasileiros, o ONDAS (Observatório Nacional dos Direitos à Água e ao Saneamento (Ondas), parceiro da FNU (Federação Nacional dos Urbanitários), divulgou a “Carta aos Brasileiros”, documento que lesta 10 medidas urgentes e necessárias que o governo federal precisa tomar para diminuir os reflexos negativos do isolamento social, no que diz respeito ao abastecimento de água, à população mais vulnerável.

Estas medidas são simples e receberam o apoio da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) e do relator especial dos Direitos Humanos à Água e ao Esgotamento Sanitário da ONU (Organização das Nações Unidas).

Na Carta, os especialistas do ONDAS enfatizam que, em termos de saúde pública, não existe uma linha que separe os setores mais vulneráveis dos demais, ou seja, o impacto diferenciado da crise em grupos mais vulneráveis afeta indistintamente toda a sociedade, sendo a prevenção de interesse geral.

“Se os mais vulneráveis não estiverem protegidos, toda a sociedade está em risco também. É preciso garantir água, seja com caminhão pipa ou chafariz para a população de rua, para as comunidades rurais onde falta água, especialmente do Nordeste. Já soou o apito da emergência”, enfatiza o coordenador do ONDAS, Marcos Montenegro.

E para garantir que a água potável chegue aos mais vulneráveis, que os especialistas em saneamento do Observatório, listaram as 10 medidas simples como:

  • a suspensão por quatro meses nos cortes de fornecimento de água;
  • a interrupção da cobrança das contas de água;
  • assegurar de forma regular o fornecimento;
  • interromper procedimentos de redução da pressão de redes de água;
  • expandir o abastecimento para as áreas não atendidas das favelas e periferias;
  • garantir o abastecimento de água e o esgotamento sanitário nas unidades de saúde;
  • assegurar o abastecimento de água, esgotamento sanitário e disponibilidade de equipamentos para realização da higiene pessoal em asilos, cadeias e presídios;
  • garantir a saúde da população em situação de rua, em especial com relação às demandas de água e provimento de condições para realização da higiene diária e de alimentação;
  • garantir o pleno abastecimento de água nos pequenos municípios e as comunidades rurais e;
  • assegurar informação ampla sobre os direitos à água e ao saneamento.

Fonte: ONDAS

  • wilson

    estamos sem noticias de nada,está tudo muito quieto……….?

    16 de abril de 2020 at 11:31
  • Wilson

    Hoje chegamos na metade de abril um mês e meio e nada de ACT,deveríamos agilizar pois se esperarmos esse CORONA VÍRUS passar só ano que para as negociações…..

    15 de abril de 2020 at 11:46

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *