SINDAEL - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ÁGUA, ESGOTO E SANEAMENTO AMBIENTAL DE LODRINA E REGIÃO


Diretoria da Sanepar semeia discórdia entre trabalhadores para enfraquecer as lutas

Diretoria da Sanepar semeia discórdia entre trabalhadores para enfraquecer as lutas

Publicado em 0 Comentário

Objetivo da empresa é jogar uns contra os outros e fragmentar as lutas dos saneparianos. Abra os olhos!

Agindo muito diferente do discurso feito pelo presidente da Sanepar Claudio Stabile, no início do ano, logo após sua posse, a diretoria da empresa, adotou medidas antissindicais durante as negociações do ACT (Acordo Coletivo de Trabalho) 2019/2020, bem como em relação ao PPR (Programa de Participação nos Resultados).

Além da tal Comissão de Negociação ter enrolado na discussão com os Sindicatos majoritários e só ter apresentado uma contraproposta à pauta de reivindicações depois de receber a ameaça de paralisação nas atividades pelos trabalhadores, em junho, essa diretoria, só aceitou fechar o ACT se fosse colocada cláusula prevendo desconto da Contribuição Assistencial/Negocial dos trabalhadores e trabalhadoras filiados.

Essa imposição foi da diretora Administrativa da Sanepar, Priscila Marchini Brunetta, que é a responsável pela política divisionista e de ataque à organização dos saneparianos e saneparianas em torno de suas entidades sindicais.

Como todos sabem, no Edital de convocação da Assembleia para votação da contraproposta da Sanepar consta como pauta o desconto da Contribuição Assistencial/Negocial “de cada trabalhador”, sem distinguir se são filiados ou não.

Esta questão foi votada e aprovada por todos os presentes na Assembleia, só que a diretora Administrativa da Sanepar desrespeitou esta deliberação e condicionou a assinatura do ACT ao não desconto da Contribuição Assistencial/Negocial dos não filiados, numa clara atitude de promover a discórdia entre os trabalhadores e trabalhadoras, embora todos tenham sido beneficiados com o reajuste possam usufruir dos direitos negociados com a empresa.

Em mais uma prova de que a atual diretoria da Sanepar está agindo para desestruturar a organização dos saneparianos e saneparianas é a extinção do Fundo Assistencial, pelo qual a Sanepar fazia o repasse de 2/30 avos, conforme estabelece a cláusula 37ª do ACT.

Ninguém solta a mão!

Não restam dúvidas de que a diretoria da Sanepar está seguindo essa onda de retrocessos que se abate sobre o País, com ataques aos Sindicatos, corte de direitos, destruição da Previdência Social e privatizações das empresas públicas e de economia mista.

Mais do que nunca, é preciso fortalecer as entidades sindicais e a organização da Classe Trabalhadora para garantir a manutenção dos direitos e, principalmente, dos empregos. As mudanças feitas pela reforma trabalhista, somadas às demais medidas que têm sido tomadas pelos presidentes Michel Temer e Jair Bolsonaro deixaram as empresas com a faca e o queijo na mão.

Ao desestabilizar as entidades sindicais, por meio do corte da Contribuição Sindical e criar exigências estapafúrdias para receber outras contribuições dos trabalhadores, o governo faz o jogo dos patrões, obrigando que cada trabalhador negocie individualmente seus direitos sem ao menos ter poder de força para exigir algo.

É isso o que está previsto na reforma trabalhista e que em breve estará instalado no País, negociações diretas entre patrões e empregados, sem a assistência dos Sindicatos e muito menos a unidade da categoria. Vai ser na base do “cada um por si”.

Para impedir que cheguemos a esse ponto, pense bem nos direitos que você tem assegurados no ACT e demais instrumentos coletivos, como o Banco de Horas, o PPR e outros. Tudo foi conquistado por meio da atuação do SINDAEL e dos demais Sindicatos majoritários. Nada, mas nada mesmo foi dado de mão beijada pela diretoria da Sanepar e no futuro não vai ser diferente. Abram os olhos, saneparianos!